sexta-feira, 20 de março de 2009

“Mas aqui não tem onde treinar...”


Ao contrário do que sugere, essa postagem não é sobre métodos de treino e muito menos para te ajudar a usar a imaginação. É mais pra abrir os olhos sobre um assunto que, roda e vira, me incomoda:
A falta de conhecimento a cidade em que se vive.

Eu escuto o desabafo de muitas pessoas (amigos inclusive) de que estão cansados de sempre treinarem nos mesmos picos, fazer sempre as mesmas movimentações e deixar o parkour cair “na rotina”.

Moro em Aracaju desde que nasci e sempre fui um cara caseiro. Meu conhecimento da cidade se resumia ao trajeto que fazia pra escola, pro cursinho e o quarteirão onde morava. Meus pais me diziam “Acorde pra vida! Você não conhece nada do mundo! É um Zé bobão!”. E de fato toda vez que eu precisava ir pra algum lugar que desconhecia era um sufoco. Tinha que fazer perguntas sucessivas para as pessoas, buscava pontos de referência pra me orientar e por vezes me atrasava para os compromissos.

Parkour modifica a visão que temos da cidade, correto?
Mas do que adianta essa percepção se você nunca conheceu sua cidade?

Quando comecei, um dos primeiros pensamentos foi: “Moro no menor estado brasileiro, aqui não deve ter muito lugar pra treinar”. Procurei as praças clichês, treinei nos pontos óbvios e eis que chegou a minha vez de dizer: “cansei dos locais que tenho”.

Eu considero essa fase crucial para um tracer porque é o momento em que ele desperta pro interesse de conhecer VERDADEIRAMENTE a sua cidade. Aquele que ignora esse “chamado interior”, me desculpem a expressão, mas volta pra mesma merda. Se nega a possibilidade de evoluir tanto como praticante de parkour quanto como cidadão.

Eu era uma anta. Desconhecia completamente a realidade do que era a minha cidade. Vivia preso e protegido sobre o trajeto de vida que meus pais preparam para mim desde a infância. E acho que é nosso dever nos libertar-nos disso.

Hoje, sempre que conheço alguém que mora numa região remota eu faço questão de dizer que sou praticante de parkour e pergunto se não existem algumas praças legais no local onde ela mora. Essa atitude já me rendeu ótimos frutos (além de instruir mais uma pessoa que futuramente poderia recriminar a prática).

A foto que encabeça essa postagem é a maior arma que já encontrei: Mapas rodoviários e urbanos. Ele foi retirado da lista telefônica de Aracaju e é minha arma secreta. Além de mostrar as ruas, ele assinala... Sabe o que?

PRAÇAS!
Todas as da minha cidade além dos parques!

Não tenho como descrever o quanto minha visão ampliou e a quantidade de picos que ganhei. Será então que é justo você reclamar sem conhecimento de causa? Uma pessoa teve o trabalho de mapear sua cidade e colocar em forma de desenho tudo que você precisa pra ter locais ilimitados de treino. É irresponsabilidade sua não fazer proveito desse instrumento pro seu próprio crescimento. Ontem mesmo levei o mapa pra auto-escola e depois dela fui visitar um parque que nunca tinha ouvido falar. Treinarei nele hoje à tarde.

- Ah duddu, mas eu não tenho um mapinha...
- Http://earth.google.com/

Imprima, entre num ônibus e pense duas vezes antes de chorar no meu ombro.

6 comentários:

Matheus Felippe disse...

Estou usando o goggle earth :D

tbm ja ouvi/falei essa historia de num tem lugar pra treinar, mas ai olhei no mapa, e em cada bairro da cidade tem no minimo 2 praças vey

to começando a sair de casa sem rumo agora kkk

flws otima postagem

Edi disse...

continuo insistinod q em maceio eh diferente =x

por isso sempre damos caras novas aos velhor locais =x

duddu disse...

Você tem que dar cara nova a lugar velho porque não tem paciência e nem vontade de visitar um lugar novo.

Quer tudo na mão.

Não jogue na cidade a culpa pela sua preguiça.

Taíse Lisbella e Dica disse...

esse texto me deu um belo de um tapa na cara ! rsrs

Priscilla Magalhães disse...

"esse texto me deu um belo de um tapa na cara" ! {2}

:O

DanieLpk disse...

Esse texto [e o Duddu] deu um belo tapa na cara do Edi ! =]